Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em Busca de Um Sentido

Amor...

Quantos já se questionaram sobre o que é o amor? Não me digam que é amar, porque apesar de o ser, não aceito que isso se explica assim... Não basta dizer "eu sei que é amor apenas porque amo"... Porque se ama?

O dicionário refere-se ao amor como sendo "um sentimento que leva à aproximação e a proteger a pessoa por quem se sente atração; uma afinidade intensa por alguém; paixão; inclui, no geral, uma ligação de cariz sexual; namoro, relacionamento ou romance; grande dedicação ou cuidado". 


Desde quando é que o amor leva à aproximação? Não podes dizer que amas alguém sem seres ralativamente próximo a essa pessoa, e não falo de uma proximidade física... E porque é que tem que implicar uma atração? Eu amo com todo o meu coração a minha mãe, o meu pai, os meus irmãos (...), mas lamento informar que não existe qualquer tipo de atração, ou ligação de cariz sexual. Apesar destas pequenas imperfeições na definição que está no dicionário que consultei, eu tenho que concordar que quem ama protege, dedica-se e cuida de quem ama.

De qualquer das formas, penso que o dicionário está incompleto... Não define "amor" com tudo o que ele é... Mas confesso que ninguém consegue definir este tão belo sentimento em meia dúzia de palavras escritas, nem num livro do tamanho da Bíblia. Há sempre algo a acrescentar, algo a sublinhar, algo a demonstrar...

O amor tem cor... Tem sabor... Sabe aos beijos da minha mãe quando estou triste, aos abraços que roubo ao meu pai, às palavras de quem me consola... Tem a cor do sorriso brilhante da minha irmã quando lhe digo que gosto demasiado dela para aguentar estar amuada com ela, a cor dos olhos quase invisíveis do meu irmão quando, sem querer, o faço rir com uma palavra mal dita... Mas também tem o sabor dos teus lábios nos meus, e a cor dos teus olhos a olhar-me.

O amor, no sentido mais romântico do termo, não é apenas sussurrar ao ouvido um "amo-te". Amar é ser louco e lógico, impulsivo e prudente, selvagem e domesticado... Tudo isto no mesmo momento da nossa vida. Começamos a cegar de saudades, a morrer de medo, a chorar de vontade, a sonhar acordados, a desesperar de alegria... 

Sabem que mais? A partir do momento em que começas a amar a pessoa que cuida de ti no berço, passas a saber o que é preocupares-te um bocadinho mais com a felicidade dos outros, e cada vez menos com a tua. Nós amamos para que nos amem, para que queiram para nós o que queremos para eles.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Tatiana 30.08.2016 15:32

    Obrigada!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.