Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em Busca de Um Sentido

"Desculpa" como reflexo...

Julho 19, 2018

Sou uma dessas pessoas que pedem desculpa umas vinte vezes no dia. Para mim é efetivamente um reflexo, algo que eu só percebo que disse depois de dizê-lo. Peço desculpa por falar alto, por rir compulsivamente, por sentir demais, por ser sensível em alturas em que devia ser forte, por tropeçar, por andar devagar... Basicamente, eu peço desculpa por cada detalhe que penso que pode incomodar as pessoas com quem estou a interagir. É como se sentisse que lhes estou a faltar ao respeito, e por "educação" devo pedir que me desculpem. Chego até a iniciar frases com "desculpa, mas...".

 

E sim, eu sei que há situações em que se deve utilizar essa expressão, mas não devia ser apenas quando efetivamente fizemos algo de errado e nos arrependemos disso? Por ser uma expressão usada tão frequentemente não lhe estamos a tirar os sentimentos que lhe deveriam estar associados?

 

Apenas recentemente me apercebi de como me culpabilizo constantemente por coisas mínimas e o quanto isso pode afetar a forma como vivo a minha vida... A verdade é que se eu mudasse certas características minhas, pelas quais me desculpo, eu deixava de ser a pessoa que sou e isso não é algo que eu queira.

 

A necessidade de estar sempre a agradar quem me rodeia causa-me uma ansiedade enorme e o peso com que vou vivendo para não sair da linha é complicado de gerir...

 

Assim sendo, deixo-vos o vídeo que me levou a escrever este post e que me fez entender que não tenho que ter medo de ser quem sou e que se usar outras palavras continuo a ser educada e não me estou a culpar.

 

 

Estou num percurso de auto-conhecimento em o processo de substituir palavras que me fazem mal tem-me levado por um bom caminho e descobrir este tipo de conteúdo é refrescante.

Estou cansada...

Fevereiro 15, 2018

Estou cansada de viver num mundo em que é normal sexualizar-se uma mulher, só porque teve o "azar" de ter nascido com dois cromossomas iguais e um conjunto de hormonas que por acaso a fazem ter ancas largas, mamas e um rabo mais evidente. Estou cansada de viver num mundo onde responder à letra a uma tentativa de assédio é justificado com a frase "acha-se mais do que os outros".

 

O que é preciso fazer-se para que uma mulher possa simplesmente existir sem ser incomodada? E o pior é que acabamos a sentir nojo de nós próprias apenas porque somos bonitas perante uma sociedade que faz de nós objetos sem inteligência e sem capacidade de defesa.

 

É triste perceber que temos que analisar ao pormenor a roupa que usamos, apenas porque vestir uma saia ou uns calções vai atrair atenção que não queremos... É triste que nos sintamos envergonhadas por atitudes alheias... É triste que a sociedade nos tenha educado a baixar a cabeça quando passamos por um grupo de homens... É triste que ser-se ousada faça com que nos apontem o dedo.

 

Não é suposto que nos sintamos diminuídas, menos capazes, apenas por uma condição biológica que nem sequer escolhemos. Não é suposto que nos calemos só porque o mundo não está preparado para ouvir uma mulher com uma opinião forte... Não é suposto que pareçamos animais no circo, porque é muito bonito dizer-se que há igualdade de géneros e depois colocarem-se mulheres em exposição só porque torna o espetáculo mais apelativo.

 

Uma mulher é mais do que o corpo que tem... É inteligente, é capaz de ter uma conversa culta, é capaz de se mostrar interessada por assuntos "importantes", é capaz de grandes feitos, é forte e independente... Uma mulher é um ser humano. Já pararam para pensar sobre isso, homens? Já pararam para perceber que não é simpático dizerem-nos o quanto o nosso corpo vos agrada?

 

É que eu já estou cansada... Cansada de me sentir menos por algo que me deveria fazer sentir mais... Cansada de ter que explicar centenas de vezes que não quero ser vista como um objeto... Cansada que simplesmente não saibam respeitar o que é ser-se mulher...

 

E vocês, homens? Não se cansam de viver a ser indelicados?

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.