Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em Busca de Um Sentido

A hora vai chegar...

Estou numa fase de absorção... Adoro escrever, comunicar o que me vai na cabeça, mas cheguei ao ponto em que tenho que parar, olhar, e sentir tudo como se não houvesse amanhã, para que quando pegue no papel e na caneta venha algo diferente, sem perder a minha identidade.

A verdade é que me sinto a mergulhar sempre nos mesmos assuntos, o que até para mim se torna aborrecido. No fundo, como a maior parte das pessoas, vivo numa rotina que pouco traz de novidades e as novidades que traz ainda estão a ser analisadas e daí parto para um ciclo em que penso exageradamente nas mesmas coisas.

Voltei ao ponto em que preciso de andar nas ruas, ver coisas novas, respirar em sítios diferentes e ver o mundo doutro ponto de vista, este está a tornar-se sobreexplorado. Não é por falta de tentativa, muito menos por falta de vontade, mas a fluidez na escrita está a faltar e tenho que ir à procura dela...

Queria falar de tanta coisa, e quando chego aqui entendo que não é a hora certa, pelo menos não para mim... Mas a hora vai chegar, porque isto faz parte de mim.

A Tati escreveu...

Eu não sei o que se passa comigo, mas as férias deram-me uma produtividade que estava já a fazer falta e que me está a deixar super motivada para concluir tudo a que me proponho!

A Tati Escreveu.png

Há umas semanas a minha mãe teve que procurar uns papéis no meio das minhas coisas lá em casa e deu com alguns cadernos que eu fui escrevendo durante o básico e o início do secundário. Como é óbvio, ela foi e leu tudo. No fim, ligou-me e disse "Sabes aqueles cadernos todos? Não podes guardar só para ti."

Eu fiquei com aquilo na cabeça e quando fui a casa agarrei em tudo o que coube dentro da mala e decidi que iria copiar tudo para o computador. Assim sendo, venho informar-vos que a partir de Fevereiro todos os vossos domingos vão ter direito a "A Tati escreveu..." (até que as pérolas se esgotem).

Vão existir declarações de amor, revoltas interiores e desabafos dos quais eu nem sequer me lembrava... E só vos digo... Espero não me arrepender, porque quando releio tudo sinto vergonha de mim mesma!

Não se esqueçam que estou a receber perguntas para o Question Day, vão lá e deixem a imaginação fluir... Fico à espera!

Admiro...

Admiro quem tem capacidade para ter um post novo praticamente todos os dias no blog e que para além disso tem uma vida agitada por trás das letras e dos textos bem escritos e coerentes.

Admiro quem tem inspiração para pegar num dia que não teve nada de diferente e analisá-lo de uma forma tão perspicaz que daí surge a ideia inicial do que escreve e sonha.

Admiro pessoas reais, com vidas banais que sabem dar a volta por cima e fazer com que o banal vire especial em menos de um segundo.

Admiro tudo o que me faça sentir "um dia quero poder ser um bocadinho disto", porque tudo o que vou vendo, sentindo e aprendendo me deixa um bocadinho mais perto da pessoa que eu ambiciono ser.

Admiro quem tem força para se levantar todos os dias da cama com um sorriso na cara, mesmo que esteja a passar um mau bocado, ou simplesmente tenha dormido mal, porque eu sou incapaz disso.

Admiro quem me faz sentir calma e descontraída, porque eu tenho consciência da dificuldade que é manter-me serena por um longo período de tempo.

Já vos disse que vos admiro? Admiro-vos.

5 dicas para dar prendas

Sei que muitos de vocês andam já nervosos por não saberem o que escolher para aquela pessoa que é esquisita, estranha e que raramente partilha o que gostaria de receber. Por isso mesmo, venho em modo salvação, para vos retirar esse peso dos ombros. Hoje apresento-vos dicas para oferecer prendas, sem que haja espaço para desiludir.

1. A escolha de chocolates para esta altura do ano é infinita. Certifiquem-se que a pessoa em questão gosta de chocolates e escolham uma caixa gigante!

2. Tentem perceber que tipo de livros estão na prateleira e quais são os escritores... Ou se existe alguma coleção específica que quer ler. Nesta altura há sempre imensos descontos em livros, algumas feiras do livro por aí, é só escolher!

3. Na linha do último ponto... Se a pessoa gostar de séries pode-se sempre escolher algo personalizado, como uma sweat, decoração para o quarto, etc.

4. Se existir alguma espécie de piada interna entre vocês, escolher algo relacionado com isso pode ser uma ótima ideia!

5. Há falta de melhor, qualquer loja neste momento tem cartões presente... Carreguem um com o valor que pensavam gastar e ofereçam-no. Pelo menos sabem que não vão falhar! 

Têm mais alguma dica milagrosa? Partilhem-na nos comentários!

Publicidade no Natal

Algures no tempo, quando ainda me diziam que era criança e eu respondia bastante indignada "Já tenho 13 anos", sentava-me à frente da televisão tardes infinitas, durante todo o mês de Novembro, com um papel na mão.

Qual era o meu objetivo? Como controladora que era, e sou, queria ter uma lista infinita de prendas, tanto para o meu aniversário, que é a meio de Novembro, como para o Natal, para que nenhum familiar meu pudesse ter dúvidas na altura da escolha. No entanto, isto acontecia porque ficava feliz a ver os brinquedos, sonhava com o que via e brincava a fingir que tinha tudo aquilo para mim. Apesar disso, uma caneta deixava-me feliz. Um caderno novo agradava-me...

Ainda hoje, adoro ver as publicidades de brinquedos e jogos desta altura. Faço-o com uma imensa nostalgia, e confesso que às vezes me dá vontade de refazer a lista. 

No entanto, tenho a consciência de que cada vez há mais escolha e com essa escolha vem a insatisfação constante. Cada vez menos os miúdos se contentam com aquela pista de carros ou com aquela boneca de um metro que vinha equipada com maquilhagem, os mesmos que nos serviam para o ano todo. Cada vez mais o Natal é um jogo de interesses pessoais e comerciais. 

Se tenho pena? Tenho. Se acho que é um erro? Mais ou menos. Claro que as marcas usam a publicidade como forma de aliciar avós, pais, tios, primos e filhos. Apesar disso, deixamo-nos levar porque queremos. Deixamos as imagens que nos entram em casa dominar toda uma época que deveria ser muito mais de amor e união do que "escolher a melhor prenda" ou "vou dar para ver se para de me chatear". 

Sou da opinião que deveríamos lutar para contornar esta situação. Que deveríamos inserir outro tipo de príncipios na nossa sociedade... 

Vamos trazer o Natal quente e de sorrisos de volta, por favor!