Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em Busca de Um Sentido

A hora vai chegar...

Estou numa fase de absorção... Adoro escrever, comunicar o que me vai na cabeça, mas cheguei ao ponto em que tenho que parar, olhar, e sentir tudo como se não houvesse amanhã, para que quando pegue no papel e na caneta venha algo diferente, sem perder a minha identidade.

A verdade é que me sinto a mergulhar sempre nos mesmos assuntos, o que até para mim se torna aborrecido. No fundo, como a maior parte das pessoas, vivo numa rotina que pouco traz de novidades e as novidades que traz ainda estão a ser analisadas e daí parto para um ciclo em que penso exageradamente nas mesmas coisas.

Voltei ao ponto em que preciso de andar nas ruas, ver coisas novas, respirar em sítios diferentes e ver o mundo doutro ponto de vista, este está a tornar-se sobreexplorado. Não é por falta de tentativa, muito menos por falta de vontade, mas a fluidez na escrita está a faltar e tenho que ir à procura dela...

Queria falar de tanta coisa, e quando chego aqui entendo que não é a hora certa, pelo menos não para mim... Mas a hora vai chegar, porque isto faz parte de mim.

Publicidade no Natal

Algures no tempo, quando ainda me diziam que era criança e eu respondia bastante indignada "Já tenho 13 anos", sentava-me à frente da televisão tardes infinitas, durante todo o mês de Novembro, com um papel na mão.

Qual era o meu objetivo? Como controladora que era, e sou, queria ter uma lista infinita de prendas, tanto para o meu aniversário, que é a meio de Novembro, como para o Natal, para que nenhum familiar meu pudesse ter dúvidas na altura da escolha. No entanto, isto acontecia porque ficava feliz a ver os brinquedos, sonhava com o que via e brincava a fingir que tinha tudo aquilo para mim. Apesar disso, uma caneta deixava-me feliz. Um caderno novo agradava-me...

Ainda hoje, adoro ver as publicidades de brinquedos e jogos desta altura. Faço-o com uma imensa nostalgia, e confesso que às vezes me dá vontade de refazer a lista. 

No entanto, tenho a consciência de que cada vez há mais escolha e com essa escolha vem a insatisfação constante. Cada vez menos os miúdos se contentam com aquela pista de carros ou com aquela boneca de um metro que vinha equipada com maquilhagem, os mesmos que nos serviam para o ano todo. Cada vez mais o Natal é um jogo de interesses pessoais e comerciais. 

Se tenho pena? Tenho. Se acho que é um erro? Mais ou menos. Claro que as marcas usam a publicidade como forma de aliciar avós, pais, tios, primos e filhos. Apesar disso, deixamo-nos levar porque queremos. Deixamos as imagens que nos entram em casa dominar toda uma época que deveria ser muito mais de amor e união do que "escolher a melhor prenda" ou "vou dar para ver se para de me chatear". 

Sou da opinião que deveríamos lutar para contornar esta situação. Que deveríamos inserir outro tipo de príncipios na nossa sociedade... 

Vamos trazer o Natal quente e de sorrisos de volta, por favor!

O que significa o Natal para mim?

Desde o início de Novembro que me perguntam que tipo de significado tem o Natal na minha vida. Confesso que nunca fui de viver o espírito natalício. Quando era mais nova adorava ver a cidade iluminada, a felicidade estampada no olhar das pessoas e a forma como todos eram excecionalmente simpáticos... Ah, e a desculpa de receber prendas.

Hoje, com 20 anos, o Natal é apenas um dia. Sim, tem significado...É normal que o tenha, mas não o vivo a 100%.

As pessoas acham estranho que eu diga isto, mas é a verdade. Para mim o Natal não é a altura que a família se junta, porque já é algo recorrente para nós, pelo menos entre a família mais próxima.

Temos o hábito de almoçar todos juntos ao Domingo. É o dia da família. Assim sendo, o Natal acaba por ser algo "normal", principalmente agora que não temos crianças pequeninas, visto que os mais novos têm 14 anos. Adoramos ver filmes e distribuir as prendas, mas não deixa de ser um daqueles tantos dias que passamos todos juntos. É ótimo, claro. Não o vejo como algo negativo.

No entanto, confesso que este Natal vai ser diferente para mim. Não vai estar cá o meu avô, cheio de frio e enrolado no roupão, com 3 pares de meias e o gorro a tapar-lhe as orelhas. Vai ser um Natal mais frio e até nostálgico. No entanto, vou fazer de tudo para que valha a pena e que seja um bom dia para todos.

E vocês, como estão a pensar que será o vosso Natal?

Cheira a Natal!

Acho que a minha frase preferida de todas é "Cheira a Natal!"

Para mim tem todo um significado que começou o ano passado, num dia em que eu estava cheia de saudades de casa, a sentir-me perdida em Lisboa e precisava de algo que me transportasse para o calor da cozinha da minha avó.

Agarrei em mim e meti-me a bater ovos. Para quê? Perguntam vocês. Para fazer fatias de ovo, que é o que chamam de rabanadas por aí. 

Desde muito pequena que sempre que vou para casa da minha avó que o meu pequeno-almoço/lanche é fatias de ovos com uma caneca cheia de leite com café. Faz-me sentir confortável, em casa.

As minhas colegas de casa começaram a andar muito intrigadas, com medo do que dali iria sair. Não contem a ninguém, mas eu sou o perigo na cozinha!

Comecei a fritar o pão com o ovo, a colocar açúcar e canela assim que o tirava da frigideira e... Ao mesmo tempo que eu dizia Cheira a casa! uma delas diz Cheira a Natal!.

Emocionou-me, confesso... Mas a casa da avó cheira a Natal e é o melhor cheiro do mundo!

Porquê "Em Busca De Um Sentido"?

Boa tarde! Hoje venho com uma explicação para todos os leitores do blog que já se perguntaram sobre o porquê de ter escolhido o título que o meu blog tem... 

"Em Busca De Um Sentido" parece óbvio, não é? Como "adolescente" (vamos ignorar que perante a lei sou adulta há vários meses) questiono-me muitas vezes sobre o sentido de viver uma rotina à qual me entrego totalmente, sem sequer saber para que vai servir. No entanto, o título do blog não tem assim tanto a ver com isso. 


A minha procura incansável é destinada a encontrar-me a mim própria e à mulher que pretendo vir a ser e felizmente descobri uma forma de o fazer. Desde bem pequenina que vivo apaixonada por canetas, livros e cadernos, não me perguntem porquê, simplesmente adoro. Refugio-me na escrita e é a partir do que escrevo que eu consigo saber o que sinto e transmiti-lo. Há quem se encontre a cantar, a dançar, a pintar... Eu encontro-me a escrever.

Há um tempo eu preferia guardar o que escrevia para mim e para algumas pessoas mais próximas por achar que tudo era demasiado pessoal, que iria estar a expor-me em demasia. No entanto, comecei a perceber que há mais pessoas a pensar da mesma forma que eu.

A partilha do que gosto, do que penso e do que escrevo pode ser bastante útil para encontrar aquilo que sou e serei no futuro e por isso achei que o título se adequava, porque toda a nossa vida vamos procurar um sentido para as nossas atitudes, para o porquê de sermos como somos. Porque não partilhar essa procura com outras pessoas?

E por essa mesma razão eu estou aqui, em busca de um sentido.