Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Em Busca de Um Sentido

Poema de Natal

Disseram-me para ser simpática,

Afinal de contas é Natal

E eu, sempre problemática

Penso "É preciso sê-lo para tal?"

 

Depressa me mostro indignada,

"Não mostras sempre um sorriso?"

O que recebo é pouco mais que nada,

E observo aquele ar meio indeciso.

 

Parece que a época serve de desculpa,

Em Dezembro todos se unem,

Será que é pela tal lista?

Espero que não se decepcionem.

 

Se for pelas prendas, pior é.

Onde anda a solidariedade durante o ano?

Parece que só agora há esta Fé,

Em que passa tudo por puritano.

 

E essa consciência, não se faz ouvir?

Quando Janeiro chegar, lembra-te:

Haja o que houver, é para sorrir,

Até porque a simpatia é para o ano todo.

Será que estou na lista dos bem comportados?

Como bem sabem corre por aí o boato de que só os bem comportados têm direito à prenda do Pai Natal no sapatinho. E será que somos dignos de entrar nessa lista? E o que faz de nós candidatos a tal?

Na minha opinião, o que nos torna capazes de dizer "este ano fui bem comportado" está muito mais relacionado com as ações que tivemos para com os outros do que pela ausência de disparates... Sei que não é bem isso que se diz às crianças... No entanto, já não somos crianças, pelo menos não perante a idade que se encontra no cartão de cidadão, e todos sabemos que um disparate ou outro até é saudável.

Porque vos digo isto? Digo-o porque quero acreditar que apesar de deixar queimar a comida, manchar a roupa quando a meto na máquina de lavar, salgar bolos quando estes devem ser doces e ainda me perder em todo o lado por estar mais focada em observar o mundo, ainda pertenço ao grupo daqueles que está a tentar mudar o mundo para melhor.

E como o faço? Sorrindo para quem passa por mim na rua, tentando controlar este mau feitio terrível (mesmo que seja quase impossível), mantendo a calma quando tenho vontade de destruir meio mundo e pondo as minhas prioridades em prespetiva para que as minhas decisões não sejam egoístas. 

É difícil tomar sempre as opções mais acertadas. É complicado dar a mão ao outro quando vemos que também nós precisamos e ninguém se preocupa. Dói sorrir quando no fundo estamos a ter um dia menos bom. Apesar disso e de mais uma mão cheia de coisas, nós insistimos em fazê-lo no Natal.

Porquê só no Natal? Não vivemos uns com os outros durante o resto do ano?

Sinto-me orgulhosa de mim por pensar assim todo o ano... Por isso peço... Pai Natal, eu sei que sou um desastre a viver a minha vida de adulta... Eu sei que sou uma criança no corpo de uma mulher... Mas não me desiludas, porque eu acredito que consigo balançar o mau com o bom e me incluo na lista dos bem comportados!

O que significa o Natal para mim?

Desde o início de Novembro que me perguntam que tipo de significado tem o Natal na minha vida. Confesso que nunca fui de viver o espírito natalício. Quando era mais nova adorava ver a cidade iluminada, a felicidade estampada no olhar das pessoas e a forma como todos eram excecionalmente simpáticos... Ah, e a desculpa de receber prendas.

Hoje, com 20 anos, o Natal é apenas um dia. Sim, tem significado...É normal que o tenha, mas não o vivo a 100%.

As pessoas acham estranho que eu diga isto, mas é a verdade. Para mim o Natal não é a altura que a família se junta, porque já é algo recorrente para nós, pelo menos entre a família mais próxima.

Temos o hábito de almoçar todos juntos ao Domingo. É o dia da família. Assim sendo, o Natal acaba por ser algo "normal", principalmente agora que não temos crianças pequeninas, visto que os mais novos têm 14 anos. Adoramos ver filmes e distribuir as prendas, mas não deixa de ser um daqueles tantos dias que passamos todos juntos. É ótimo, claro. Não o vejo como algo negativo.

No entanto, confesso que este Natal vai ser diferente para mim. Não vai estar cá o meu avô, cheio de frio e enrolado no roupão, com 3 pares de meias e o gorro a tapar-lhe as orelhas. Vai ser um Natal mais frio e até nostálgico. No entanto, vou fazer de tudo para que valha a pena e que seja um bom dia para todos.

E vocês, como estão a pensar que será o vosso Natal?

Cheira a Natal!

Acho que a minha frase preferida de todas é "Cheira a Natal!"

Para mim tem todo um significado que começou o ano passado, num dia em que eu estava cheia de saudades de casa, a sentir-me perdida em Lisboa e precisava de algo que me transportasse para o calor da cozinha da minha avó.

Agarrei em mim e meti-me a bater ovos. Para quê? Perguntam vocês. Para fazer fatias de ovo, que é o que chamam de rabanadas por aí. 

Desde muito pequena que sempre que vou para casa da minha avó que o meu pequeno-almoço/lanche é fatias de ovos com uma caneca cheia de leite com café. Faz-me sentir confortável, em casa.

As minhas colegas de casa começaram a andar muito intrigadas, com medo do que dali iria sair. Não contem a ninguém, mas eu sou o perigo na cozinha!

Comecei a fritar o pão com o ovo, a colocar açúcar e canela assim que o tirava da frigideira e... Ao mesmo tempo que eu dizia Cheira a casa! uma delas diz Cheira a Natal!.

Emocionou-me, confesso... Mas a casa da avó cheira a Natal e é o melhor cheiro do mundo!

Ser Blogger

Atualmente, qualquer pessoa tem à distância de um clique a possibilidade de criar conteúdo seja em que formato for. Podemos partilhar texto, imagens, vídeos, músicas. Tudo está ao nosso alcance, basta querermos.

Percebi, há muitos anos, que queria escrever. Cheguei a ponderar começar a escrever um livro, mas percebi que a minha paixão pela escrita implica algo muito mais autobiográfico. Tudo aquilo que eu passo para o papel depende do meu humor. Para mim, seria impossível ter coerência suficiente para fazer com que tantas páginas, vindas da minha imaginação, fizessem o mínimo de sentido.

Todas estas ponderações fizeram com que percebesse que ter um blog talvez fosse uma boa ideia, até porque nunca quis escrever só para mim. Gosto de partilhar.

Durante meses, até anos, eu era a miúda que tinha um blog. Era a miúda que quando se lembrava escrevia qualquer coisa para partilhar. Eu era igual a todos os outros, porque vamos ser sinceros, qualquer um tem um blog.

Eu tinha um blog, não era blogger.

Ainda hoje, não me considero blogger, mas sinto que estou uns passos mais perto de o ser. Isto porque, para mim, ser blogger vai muito além de escrever de vez em quando para publicar quando o rei faz anos.

Ser blogger é ter a dedicação, a disponibilidade, a vontade, é saber o que tem ou não potencial para virar um post, é sentirmo-nos livres no nosso espaço.

Ser blogger é ter a consciência que existem pessoas que esperam pelo que escrevemos e que vão perder uns minutos a ler-nos, daí valer a pena gastar mais meia hora a corrigir aquilo que nos saiu automaticamente.

Ser blogger é mais do que alimentar um blog, é viver este mundo e absorver o melhor que existe por aqui. É olhar para o lado e querer ajudar a que se vá mais longe, porque nós também queremos isso para nós. É deixar um tempinho de parte para responder a comentários. E é também lermos outras pessoas que estão exatamente na mesma posição do que nós.

Tu, que estás a ler isto e te identificaste... Parabéns, estás no bom caminho, porque é disto que um blogger é feito!